Ovelhas e Lobos

Um livro de Patrício Dugnani, autor, ilustrador e amigo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A história de Ovelhas e Lobos gira em torno de quatro personagens, a ovelha, o lobo, o pastor e seu cão. A partir da relação de força consensual entre estas, em que a ovelha é caçada pelo lobo que é caçado pelo pastor e seu cão, a narrativa busca explorar a complementaridade entre texto, ilustração e grafia.

O núcleo narrativo é simples. Após situar os papéis das personagens, surge a imagem do sol, sob o qual todos brincam, ou melhor, “quase todos”, como o próprio texto corrige, ao mostrar a imagem do lobo dormindo e sonhando com uma ovelha assada. Na cena seguinte, a mesma estrutura se repete, em que todos dormem sob a lua… quase todos. O lobo empreende sua caçada, seguido pelo pastor; enquanto foge, tenta pular uma cerca e se machuca nos espinhos: “O pastor e o cão ficam zangados e o lobo mal.”

A conclusão opera com o jogo entre adjetivo e advérbio, em que o mau das tradicionais histórias infantis transforma-se no mal circunstancial. Mais do que um jogo de palavras, a sutil substituição coloca em pauta uma visão muito diferente da dicotomia bom-mau, herdeira de um maniqueísmo que freqüentemente orienta a literatura infantil. Aqui, o cerne da narrativa são a dinamicidade e as diferenças estabelecidas a partir da relação das personagens. Tanto o lobo quanto a ovelha agem de acordo com seus instintos, o que faz com que o primeiro adore e coma as ovelhas, enquanto estas temem os lobos. O pastor tem um papel simples, limita-se a atirar nos lobos. Não há, de sua parte, nenhuma intenção clara de proteger desinteressadamente as ovelhas, assim como não há razão para atirar nos lobos. Os papéis estão subentendidos, o que enfatiza o processo de interação entre as personagens.

Essa interação é reforçada pelas ilustrações, que não primam pela definição e pelo contraste, mas pela agilidade dos traços, pela mistura de cores, pela indefinição dos contornos.

Outro ponto relevante da obra é a grafia. Algumas palavras surgem em um tamanho maior, utilizando uma fonte gráfica que procura, em seu formato, interagir com seu significado. Assim, a palavra medo surge em letras que simulam um tremor, enquanto atira contém três furos, remetendo ao resultado de um tiro de espingarda, como sugere a ilustração da página. Escrita, significado e desenho se inter-relacionam e se mesclam à própria narrativa, explorando as linguagens e suas polissemias.

Mariana Tambara

About these ads

Sobre dotamanhodeumbotao

Mariana Tambara. Professora, pedagoga, esposa, mãe, mulher... nesta ordem e em outras também, com vontade de pensar, falar, discutir, entender, questionar, criticar educação. Convido todos os visitantes a fazer o mesmo. Vamos?
Esse post foi publicado em Literatura infantil e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s